segunda-feira, 26 de junho de 2017

Onda de nacionalismo saudita, contra interesses dos EUA

24/6/2017, MK Bhadrakumar, Indian Punchline












Ler folhas de chá na política saudita é missão arriscada. O que torna muito intrigante o júbilo em Moscou ante a nomeação de Mohammed bin Salman como príncipe coroado da Arábia Saudita.

O príncipe coroado que o rei Salman descartou, Mohammed bin Nayef, foi ministro do Interior da Arábia Saudita ininterruptamente desde 2012 e tem anos de experiência no serviço de inteligência. MbN costumava ser visto como o elemento mais pró-EUA na liderança saudita. Em fevereiro, Mike Pompeo fez sua primeira viagem internacional como chefe da CIA a Riad, para entregar a Medalha George Tenet a MbN, como reconhecimento por seu "excelente desempenho na Inteligência, no domínio do contraterrorismo, e sua inestimável contribuição para a segurança e a paz no mundo". (Al Jazeera)

Agora, passados apenas três meses, o rei Salman descartou MbN e substituiu-o pelo filho em quem mais confia. Estranho, não?

Elijah J. Magnier: EUA e Rússia à beira do abismo na Síria - Curdos sírios, os que mais perdem













A batalha entre aliados dos EUA e aliados da Rússia está em flagrante escalada no nordeste da Síria, criando risco real de que as superpotências deslizem para confronto direto, para protegerem cada um os próprios interesses. Mas ao final, Washington absolutamente não vencerá na Síria, e seus aliados – liderados pelos curdos sírios sob a bandeira de "Forças Democráticas Sírias, FDS [ing. Syrian Democratic Forces, SDF) – pagarão o mais alto preço.

House of Cards (saudita): A história por dentro, por Pepe Escobar

24/6/2017, Pepe Escobar, SputnikNews













Bem quando comentaristas de geopolítica recolhiam apostas para uma mudança de regime no Qatar – orquestrada por uma Casa de Saud desesperada –, a mudança de regime acabou por acontecer em Riad, orquestrada pelo Príncipe Guerreiro, Destruidor do Iêmen e Bloqueador do Qatar, Mohammad bin Salman (MBS).

Considerando a impenetrabilidade daquela oligarquia familiar do petrodólar do deserto travestida de nação, dar conta desse mais recente Game of Thrones árabe é tarefa de uns poucos estrangeiros com acesso garantido. E também não ajuda, que o abundante dinheiro dos lobbies sauditas – e dos Emirados – em Washington reduza virtualmente todos os think-tanks e jornalistas venais, à mais abjeta máquina de calúnia e difamação.

"Temos um baita problema", por Seymour M. Hersh

25/6/2017, Seymour M. Hersh, Welt Am Sonntag, Alemanha












Trump com seus auxiliares em Mar-a-Lago


Oficiais de inteligência não acreditaram no suposto ataque com gás sarin em Khan Sheikhoun. Welt Am Sonntag apresenta o protocolo de uma conversa entre um conselheiro de segurança e um soldado norte-americano da ativa, em serviço numa base chave da região.



Fizemos abreviações: Soldado Americano (SoldAm) e Assessor de Segurança (AsseSeg). Welt Am Sonntag sabe o local preciso do encontro. Por razões de segurança, alguns detalhes de operações militares foram omitidos.

6 de abril, 2017

Soldado Americano (SoldAm): Temos um baita problema.

Assessor de Segurança (AsseSeg): O que aconteceu? É Trump, que está ignorando a inteligência e vai atacar os sírios? Estamos mijando nos russos? É isso?

sábado, 24 de junho de 2017

Crise no Qatar: Origens e consequências

22/6/2017, SouthFront






A crise em curso que cerca o Qatar é o mais grave conflito surgido entre estados árabes do Golfo desde o fim da Guerra Fria. Enquanto esses petromilionários e autocráticos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) historicamente sempre foram na maioria aliados de conveniência unidos por medos partilhados (da URSS, de Saddam Hussein, do Irã, etc.), a desconfiança nunca antes cresceu entre eles, a ponto de algum deles exigir nada menos que rendição incondicional de outro 'colega' de OPEP. Vários traços interessantes dessa crise imediatamente saltam aos olhos.

EUA enfrentam revés histórico no Oriente Médio, por MK Bhadrakumar

23/6/2017, MK Bhadrakumar, Indian Punchline










O bloco dos quatro países árabes puxados pela Arábia Saudita que impôs um embargo contra o Qatar dia 5/6 apresentou afinal sua carta de exigências. Despacho da AP [leia aqui], lista as 13 demandas. As que mais chamam a atenção incluem que Doha reduza os laços com o Irã, que rompa relações com o Hezbollah e a Fraternidade Muçulmana, que feche uma base militar turca que há no país e que extinga a rede estatal de comunicação Al Jazeera e vários outros veículos.


Interessante, o Qatar também deve "aceitar auditorias mensais durante o primeiro ano depois de aceitar todas as demandas; depois uma por trimestre, durante o segundo ano. Pelos seguintes dez anos, o Qatar será monitorado anualmente, para verificar o exato cumprimento das demandas." Tudo isso significa que só a capitulação incondicional, abjeta do Qatar satisfará seus 'grandes irmãos' – nada menos. E há também um cronograma a seguir – dentro dos próximos 10 dias –, ou todas as demandas perdem a validade.

Para mim, o Qatar verá rapidamente que essa 'ação' não passa de mal disfarçado movimento para 'mudança de regime'. A resposta do regime só pode ser uma: que aqueles figurões árabes se enforquem.

O que acontece a seguir? Dito em poucas palavras, o Oriente Médio Muçulmano (sunita) está à beira de um racha histórico, que terão consequências profundas para a segurança regional e internacional.

Medo e Delírio na Rota da Seda Afegã, por Pepe Escobar

21/6/2017, Pepe Escobar, Asia Times










Será que algum dia as Novas Rotas da Seda, também conhecidas como Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE), algum dia conseguirá atravessar o Hindu Kush?

O nome do jogo é "temeridade". Embora estrategicamente colocado a cavalo sobre a Antiga Rota da Seda, e virtualmente contíguo ao Corredor Econômico China-Paquistão (CRCP) de US$50 bilhões – nodo chave da ICE –, o Afeganistão continua atolado em guerra.

É fácil esquecer que nos idos de 2011 – antes até de o presidente Xi Jinping anunciar a ICE, no Cazaquistão e Indonésia, em 2013 – a então secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton inventou uma Rota da Seda só dela, em Chennai. Não surpreende que a visão do Departamento de Estado tenha dado com a cara na poeira do Hindu Kush –, porque pressupunha um Afeganistão destroçado pela guerra, como eixo central do plano.

O estado do jogo no Afeganistão em 2017 é ainda mais deprimente. Dizer que o governo que emergiu das eleições presidenciais de 2014 e até hoje passa por governo é disfuncional é muito pouco.